Google+ Followers

Google+ Followers

Google+ Followers

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

2834 - O Caí teve o seu Hyppodromo

No dia 2 de janeiro de 1910, foi reaberto o Hipódromo Caiense. `Mas, conforme consta do livro Reminiscências, ele não teve vida longa












Em 1909, foi inaugurado o Hyppodromo Cahyense, conforme matéria publicada no jornal 
A Federação, em 17 de dezembro de 1909.
Helena Cornelius Fortes, no seu livro Reminiscências, informa que o Prado caiense teve curta duração. Em seu lugar foi criada uma cancha reta no mesmo traçado da atual Avenida Egydio Michaelsen. Ela tinha cinco quadras de extensão, indo de uma padaria a outra. Ou seja, o início da cancha ficava junto a uma padaria e o seu término próximo a outra.
No local em que veio a existir, mais tarde, a padaria Sem Rival, no tempo da cancha havia um curral de suínos. Junto dela havia uma grande casa que servia de residência da família e também para fazer a carneação (abate) dos porcos. Seu proprietário era Joaquim Schneider e ali se produzia, além de carne, liguiça, morcilha, torresmo e queijo de porco. E Joaquim era conhecido pelo apelido de Mataporco.
Ainda conforme conta Helena Cornelius Fortes, o ponto de largada para as corridas era bem em frente ao matadouro. Cinco quadras adiante, se encontrava o ponto de chegada. 
Este ficava onde hoje se encontra o CTG Lauro Rodrigues. Ou seja, na rua Oderich.
Sendo assim, o ponto de largada (o matadouro) deveria ser pela esquina da Egydio Michaelsen com a rua 13 de Maio.
Onde está hoje o CTG, na época havia a chácara de Bortolo Bertisolo (de evidente descendência italiana). Ele cultivava ali um grande parreiral e, provavelmente, produzia vinho.
Pelo fato de ali acontecerem as corridas de cavalo, a rua hoje conhecida como Egydio Michaelsen, antigamente era conhecida como Cancha.
Naquela época, havia uma área de campo estendendo-se desde a atual avenida Egydio Michaelsen até a encosta do morro do hospital. Essa área era conhecida como potreiro do Martim Adams. Assim como o morro do hospital era conhecido como morro do Martim.

Fotos do acervo de João Luz

Nenhum comentário:

Postar um comentário