Google+ Followers

Google+ Followers

Google+ Followers

sábado, 31 de maio de 2014

4077 - Zé Abelha

O cenário rural do antigo Passo da Cria mudou, vai se transformando
em área urbana, e hoje é conhecido como bairro Aeroclube
Cenário bem diferente daquele que Pinalli pintou, na década de 1960


O grande pintor Enio Pinalli, com seu velho carro Chevrolet, costumava percorrer os arredores da cidade de Montenegro e, especialmente, os seus subúrbios. 
Em 1968, conheceu o apicultor José Andrade de Oliveira, que levava o apelido de Zezé Abelha.  Apelido esse que, mais tarde, passou a ser abreviado para Zé Abelha. 
Enio Pinalli fez amizade com José e tirou uma foto da casa com o objetivo de pintar um quadro. Na ocasião, prometeu dar a ele uma cópia de presente depois de revelada. 
A foto não foi entregue, mas o quadro, pintado no ano de 1968, deu um valor especial à casa e ao local onde ela se encontra. 
Essa casa ainda existe, na estrada Cylon Rosa, número 750. No bairro Aeroclube, local antigamente conhecido como Passo da Cria.
Pinalli percebeu que José era um ótimo comerciante, pois registrou em cartório a marca do seu mel com o nome de "Zé Abelha" e, há vinte anos, passou a usar rótulo com essa marca nas embalagens do produto. O que é feito até, hoje, pela sua família.
José Andrade de Oliveira nasceu em 30 de julho de 1918 e sua esposa, Celina Mello de Oliveira, em 23 de fevereiro de 1923.
Tiveram 12 filhos: Sidinei, Celso, Sérgio (estes três já falecidos), Nelson, Gaspar, José, Vanderlei, Cláudio, Renato, Ieda, Juarez e Rosane Mello Andrade de Oliveira.  
Quem continua a cuidar da produção e venda do mel são os filhos Renato e Ieda, além de dona Celina, hoje com 91 anos. 
Ieda continua comercializando os produtos da chácara do antigo Passo da Cria na feira do Produtor Rural de Montenegro. 
José A. de Oliveira, o Zé Abelha, faleceu há aproximadamente cinco anos. 
Os pesquisadores Isolete Mosman e Egon Arnoni Schaeffer, vão cumprir a promessa feita pelo renomado pintor montenegrino entregando aos seus descendentes uma foto reproduzindo o quadro.

Texto de Egon Arnoni Schaeffer

Nenhum comentário:

Postar um comentário