Google+ Followers

Google+ Followers

Google+ Followers

domingo, 29 de junho de 2014

4183 - Paulo Cezar Tatu: doutor em futebol


Na tarde de sexta-feira, uma equipe do canal Sportv entrevistou Paulo Cezar
Tatu, o amigo caiense citado por Felipe Scolari numa entrevista transmitida
para o mundo inteiro
Luiz Felipe Scolari, técnico da Seleção Brasileira, mesmo tendo nascido em Passo Fundo, viveu sua juventude e primeiros anos da sua vida adulta em São Leopoldo, Montenegro, Caxias do Sul e Porto Alegre. No meio dessa geografia está São Sebastião do Caí, onde nasceu e sempre morou Paulo Cezar Tatu. 
Paulo Cezar foi um ótimo jogador de futebol, tendo jogado em grandes clubes, inclusive o Caxias, onde foi companheiro do zagueiro Felipão. Os dois se tornaram  grandes amigos, pois viajavam juntos, no carro de Paulo Cezar, quando iam a Caxias para treinar ou jogar.  Ambos não  ganhavam muito e iam juntos para diminuir a despesa. Além, é claro, do prazer que sentiam em -  no  caminho - falar de futebol. Felipão, já na época, estudava à noite no IPA (Instituto Porto Alegre), fazendo o curso superior de Educação Física, credenciando-se para se tornar treinador.
Paulo Cezar não teve a mesma  ambição  e, depois de encerrar sua carreira de atleta profissional, passou a viver uma vida pacata na sua cidade natal. Amadoristicamente, continuou jogando futebol e continuou jogando bem até além dos 50 anos. E não era em equipes de veteranos. Se o vigor físico já não era o mesmo, a sua compreensão privilegiada do jogo ainda lhe dava condições de um bom desempenho. Ele jogava muito com a cabeça e essa ainda estava em boa forma.
No dia 27 de junho de 2014, em entrevista coletiva à imprensa, na véspera de jogo decisivo contra a seleção do Chile pela Copa do Mundo de 2014, o treinador Felipe Scolari citou Paulo Cezar Tatu, seu ex-companheiro no time do Caxias (década de 1970), como exemplo de jogador que, mesmo sendo baixo, conseguia fazer muitos gols de cabeça. Isso acontecia porque Paulo Cezar, inteligentemente, conseguia antever onde chegaria a bola e se posicionava corretamente para a rebater em direção ao gol.

Foto maior,  de Castor Becker Junior

Nenhum comentário:

Postar um comentário