Google+ Followers

Google+ Followers

Google+ Followers

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

5080 - Madalena Bühler: a grande prefeita montenegrina






De dona de casa a grande prefeita

Maria Madalena Bühler entrou para a história de Montenegro. Foi a primeira vereadora eleita (1982) e também a primeira prefeita do município (1996). Na eleição para a Prefeitura, atingiu o maior percentual de votos de um prefeito em toda a história, com mais de 60%. Entretanto, depois destas duas vitórias em eleições, acabou ficando em terceiro no último pleito que concorreu, em 2004. Seu nome voltou a ser lembrado em 2008, mas decidiu que não iria mais disputar eleições. "Não vou concorrer mais. Já fiz a minha parte. Quero cuidar dos meus netos”, declarou, na época. “A família é mais importante do que tudo", completou, informando que voltaria a ser uma simples dona de casa. Conforme o neto, o repérter Vinicius Bühler da Rosa, é chamada carinhosamente de “Vó Mada”.
Única mulher entre os quatro filhos do casal Maria Eracy Leal Machado e Deolandro Viegas Machado, Maria Madalena Leal Machado se criou entre a cidade e o interior. Viveu a infância na localidade de Fortaleza e depois a filha de ferroviário foi para a cidade. Aos 13 anos teve o primeiro contato com a política, quando entregou ao então governador Leonel Brizola uma carta pedindo melhorias para o trabalho dos ferroviários.
Aos 65 anos, enfrenta um grave problema de saúde. Há cinco anos vem realizando tratamento contra o Mal de Alzheimer e hoje encontra-se numa casa de repouso de São Sebastião do Caí. Mas deixou o seu legado, pelo grande desenvolvimento que Montenegro teve em sua administração. O município, que até 1997 crescia negativamente e enfrentava graves problemas financeiros, adotou uma política de atração de investimentos, através de incentivos. O secretário da fazenda de época, Gerson Schardong, lembra que os resultados foram animadores. As dívidas foram sanadas. Madalena deixou a Prefeitura em 2004 com um superávit de R$ 1,4 milhão e o orçamento do município pulou de 17 para 54 milhões em quatro anos. E não foram só empresas e empregos que foram gerados. Com mais recursos, melhorou a infra-estrutura da cidade, tanto que Madalena ficou conhecida como a “prefeita do asfalto”, devido as várias ruas e estradas que foram pavimentadas. Uma simples dona de casa que foi uma grande administradora. E que nunca deixou de lado a simpatia, marcada pelo seu sorriso fácil. 

Matéria de Guilherme Baptista publicada pelo jornal Fato Novo na edição  de 31 de dezembro de 2014

Nenhum comentário:

Postar um comentário