Google+ Followers

Google+ Followers

Google+ Followers

sábado, 12 de setembro de 2009

395 - Frederico Mentz

O grupo Frederico Mentz foi um dos maiores conglomerados 
de empresas já formado no Rio Grande do Sul




Na segunda metade do século XIX e início do século XX, grandes empresários desenvolveram seus negócios em São Sebastião do Caí. Trein, Oderich, Ritter, Michaelsen, Mentz e Renner eram os principais. Eles atuavam no comércio, na navegação e na indústria (principalmente na produção de banha). Quando a queda da navegação fez o Caí deixar de ser um local estratégico para a realização de negócios, a maioria deles transferiu-se para Porto Alegre.
Um destes grandes empresários foi Frederico Mentz, que apresentamos aqui através de informações extraídas do livro Indústria de Ponta, escrito por Eduardo Bueno e Paula Taitelbaum.
Frederico Mentz nasceu em Hamburgo Velho (hoje um bairro de Novo Hamburgo) no ano de 1867. Aos 21 anos, mudou-se para o Caí, que então fervilhava de progresso. Chegou modestamente e foi trabalhar como balconista. Mas logo se destacou e, em 1893 casou-se com Catarina Trein, que era filha do grande comerciante Christiano Jacob Trein. No ano seguinte, fundou a empresa Trein & Mentz. Começava ali a formação de um enorme conglomerado empresarial que veio a tornar-se um dos maiores que já existiram no estado. Em 1907, em sociedade com seu cunhado Frederico Trein e ao também cunhado A J Renner, transferiu-se para Porto Alegre. Estabelecida num belo prédio da rua Voluntários da Pátria, a empresa contava, nos fundos do prédio, com um trapiche próprio à margem do Guaíba. E ali eram desenvolvidas várias atividades: loja de tecidos, a fábrica de banha Phenix, um imenso depósito de sal e, também, comércio de couros.
Frederico Mentz foi sócio de A J Renner na fábrica de tecidos fundada no Caí em 1911. Indústria que deu origem a outro império: as empresas Renner.
Quando morreu, em 1931, aos 64 anos, era dono de um grande conglomerado de empresas, que era composto de mais de dez empresas. A principal delas foi a fábrica de banha Phenix (uma extensão dos negócios que os Mentz tinham no Caí). Outros braços do seu império eram os bancos Frederico Mentz e Sulbanco (um dos mais importantes bancos do estado), a Cia Aliança de Seguros Gerais, uma companhia de navegação fluvial, duas fábricas de tecido, uma fábrica de móveis e comércio de sal e de couro com lojas em Porto Alegre, Caí, Caxias, Pelotas e Novo Hamburgo. Em algumas destas empresas, Frederico Mentz tinha sociedade com seus parentes e amigos caienses das famílias Trein, Ritter e Renner.
Sem a liderança do seu fundador, o grupo foi se dissolvendo e hoje poucos lembram deste caiense que foi um dos mais poderosos empresários gaúchos do início do século.
Muitos empreendimentos importantes se tornaram possíveis graças ao financiamento do Banco Frederico Mentz, inclusive um particularmente curioso: a produção do filme Coração de Luto. Realizado pela empresa Leopoldis Som o filme contava a vida do cantor Teixeirinha, que fazia tremendo sucesso no Brasil inteiro, com a sua música também denominada Coração de Luto. O filme foi lançado em 1967.

Um comentário:

  1. Olá Gostaria de entender mais da árvare da familia trein e renner.
    Sou Jaeger e meu Pai é Trein Jaeger.
    Tem informações, árvore, etc..?

    Obrigado
    nandojaeger@hotmail.com

    ResponderExcluir