Google+ Followers

Google+ Followers

Google+ Followers

domingo, 16 de março de 2014

3803 - Dona Noca: atriz, pianista e doceira

Peça de teatro amador montada por sócios do Clube Riograndense


Esta foto é do ano do ano de  1924 e mostra um grupo de teatro amador formado em Montenegro, no Clube Riograndense. Na época, era muito comum este tipo de atividade. Peças eram montadas nas sociedades existentes nas cidades e, mesmo, em localidades do interior.
É difícil identificar, hoje, as pessoas que estão nessa foto, mas a mulher que aparece de pé, bem à esquerda, é Ilka Moojem. Senhora que viria a tornar-se muito conhecida em Montenegro pelo apelido de Dona Noca.
Quem fez essa identificação foi Egon Schaeffer, que teve grande convivência com a família dessa senhora nos anos 1950. Ele era amigo dos filhos dela e visitava a casa da família frequentemente.
Quando estudou no Colégio Sinodal, de São Leopoldo, Egon conheceu Gastão Weissheimer, que era filho dessa senhora e quando os dois jovens retornaram a Montenegro estreitaram a sua amizade.
Dona Ilka se casara com Arno Weissheimer, proprietário de uma distribuidora de bebidas situada na rua Capitão Cruz e que foi presidente do Clube Riograndense. Ele e dona Ilka se conheceram ao participar das representações teatrais realizadas no clube. Antigamente, elas eram apresentadas em alemão e depois, principalmente devido à proibição de uso desse idioma durante a segunda guerra mundial, elas passaram a ser feitas em  português. Em certo período, o clube Riograndense contou com dois grupos de teatro: um que apresentava peças em português e outro em alemão.
O casal teve quatro filhos: Arnaldo,Gastão,Vitor e Doris.
Dona Noca tocava muito bem o piano e Egon, que teve algumas aulas desse instrumento no passado, se atrevia a tocar algumas músicas, recebendo elogios de dona Ilka. 
Ela era a mais famosa doceira da cidade e não dava conta dos pedidos.
Seu marido Arno também foi presidente do Lions Club e era um dos elementos mais dinâmicos na diretoria do Clube Riograndense. 
A família residia na rua José Luis, numa casa de dois pisos: a primeira depois do Banco Sul Brasileiro (hoje Santander). 
Era uma das mais importantes famílias de Montenegro e, em alguns eventos, dona Noca dava consertos de piano.
Uma casa depois morava o pai dela,  Adalberto Moojem. Ele era dono de uma farmácia situada na esquina das ruas Ramiro Barcelos e José Luís, onde hoje se encontra a agência do Banco Santander.

Foto do acervo de Romélio Oliveira

Um comentário:

  1. correçao;dona noca era filha de adalberto moojen e elisa m.arpini que era filha de antonio moojen,ambos filhos jorge guilherme moojen,dono em 1899 do primeiro hospital.noco tocava na orq.gustavo jahn e nos cinemas mudos.todos estes citados sao nomes de ruas;abraço romelio

    ResponderExcluir