Google+ Followers

Google+ Followers

Google+ Followers

terça-feira, 5 de agosto de 2014

4618 - Demolição da Casa Kranz

Prédio onde os jesuítas alemães tiveram a sua primeira escola foi demolido
para a implantação de um estacionamento





O prédio pouco antes da sua demolição


Onde hoje se encontra o estacionamento da igreja do Caí, na esquina das ruas Marechal Deodoro com Henrique D'Ávila (defronte à praça), no passado havia um grande prédio. Ele pertencia à igreja e, no fim do século XIX, funcionou ali o primeiro pré-seminário dos padres jesuítas de origem alemã.
Ali começou um trabalho que veio a revolucionar a igraja católica brasileira. Meninos nascidos na colônia alemã formaram-se padres e vários deles foram bispos e arcebispos. Esses sacerdotes tiveram tanta importância na igreja que até hoje ocupam os maiores postos da hierarquia católica no Brasil. Alguns deles já foram cogitados para tornarem-se padres.
O pré-seminário dos jesuítas não ficou por muito tempo naquele prédio. O padre Theodor Amstad providenciou a sua tranferência para Pareci Novo, onde estava disponível um prédio bem maior (antiga sede da fazenda de Juca Inácio Teixeira, que se estendia pelas duas margens do rio Caí, de Capela de Santana até perto de Bom Princípio).
Depois disso o prédio também serviu como escola dos irmãos maristas, até que esses desistissem do empreendimento. Mais tarde o prédio foi alugado pela igreja para casas comerciais. Numa parte dele, o joalheiro Fridolino Leindecker (mais tarde estabelecido em Montenegro), teve a sua primeira loja. Na segunda metade do século XX, Bernardo Thyssen teve ali uma grande loja de tecidos e armarinho. Quando Bernardo, já bastante idoso, decidiu parar de trabalhar, vendeu a loja para sua funcionária Noêmia Kranz Hoff. O prédio, no entanto, continuou pertencendo à igreja.
Na primeira década do século XXI, noêmia adquiriu um prédio próximo (esquina das ruas Marechal Deodoro com João Pereira), reformou o prédio adquirido e transferiu para lá a sua loja.
O velho prédio foi, então, demolido, dando espaço para o atual estacionamento.

Foto do acervo de Vilson Nunes da Silva

Nenhum comentário:

Postar um comentário