Google+ Followers

Google+ Followers

Google+ Followers

domingo, 7 de setembro de 2014

4766 - Júlio Cezar Cornelius: o filho do maestro seguiu o caminho do pai

Júlio, ao piano, numa apresentação para a TV, em  Curitiba



O montenegrino Júlio Cezar Cornelius, que hoje vive em Curitiba, mereceu atenção da midia nacional devido ao seu trabalho com música produzido coletivamente, por músicos espalhados pelo mundo.

Ele conta sua história numa página da internet:

Nasci numa cidade do RS chamada Montenegro.Filho do maestro Emilio Cornelius, há 71 anos.Esta página é minha homenagem a ele, que fundou a  ORQUESTRA AZUL, uma das três mais famosas do RS na década de 50. Esta orquestra colocou o Rio Grande do Sul como referência em música.

Nasci ouvindo música, mas sempre fui rebelde e indisciplinado com os sistemas de ensino, preferindo buscar do meu jeito. Assim, mesmo sem ter um piano (usava o de um senhor violinista, Edgar Seelig), após as aulas no Ginásio S.João Batista. Eu ficava cerca de três horas, diariamente, martelando o dito piano (coitado), tentando tocar as músicas da época.

Meu irmão Cícero, estudava com a maravilhosa professora Evinha Ody. Este estudo fez com que ele se transformasse num dos grandes pianistas. Lamentavelmente, após seu casamento, resolveu abandonar definitivamente a música.

Após fazer o serviço militar, sem qualquer profissão, sabendo apenas tocar razoavelmente, parti para tocar em boates e o mais que aparecesse. Foi ótimo como experiência de vida.Conheci grandes músicos e muito aprendi com eles.

Depois de algum tempo, tornei-me bancário. Toquei ainda durante quatro anos e, por força de meu casamento, entendi ser melhor afastar-me da música. E foi assim por 20 anos. Após a minha separação, comprei meu piano e comecei a martelar para recuperar o tempo perdido. Ao aposentar-me, aos 50 anos, voltei à música profissionalmente. Nela fiquei mais 17 anos, quando entendi ser hora de parar.

Mas sempre fui bastante previdente. Entendi que era uma questão de tempo e o piano acústico não teria mais espaço, salvo em gravações e concertos. Comecei a comprar teclados, sempre de ultima geração e absolutamente profissionais, tendo como ‘fonte inspiradora’ nada mais nada menos que  César Camargo Mariano. Para mim o grande mestre.

Previdente, sabia que um dia teria de abandonar a música profissionalmente e aí apareceu meu filho, formado em violão clássico pela UFRJ, e estudioso de tecnologia da música.Começou a ensinar-me a utilizar os recursos dos instrumentos virtuais. Acredito que sua preocupação e com certeza a minha, era com a ociosidade e os males que ela traz às pessoas idosas.

Quem quiser saber mais sobre a história desse inquieto montenegrino, basta escrever o seu nome no Google.

Foto do acervo de Júlio Cezar Cornelius

Nenhum comentário:

Postar um comentário