Google+ Followers

Google+ Followers

Google+ Followers

sábado, 6 de fevereiro de 2016

5195 - Números mostram os municípios que mais crescem economicamente


No Vale do Caí existem municípios muito ricos e outros muito pobres, assim como prefeituras muito mais ricas do que as outras.

É impressionante perceber como, numa mesma região, existem tamanha disparidade entre o grau de desenvolvimento dos municípios.

Isso pode ser visto na tabela ao lado abaixo.

Uma boa forma de se perceber isso é comparar o índice de retorno de ICMS, também conhecido como Índice de Participação dos Municípios (IPM).

Esse índice indica quanto do imposto arrecadado pelo governo volta para cada município e isso indica a força econômica, pois ele é uma medida do valor de tudo que se produz no município, na indústria, comércio, serviços e agropecuária.

Observando a tabela vemos que o IPM de Tupandi é maior do que o Caí e tende a superar, também, o de Portão. Isso quer dizer que Tupandi recebe mais retorno do imposto (ICMS) do que o Caí e quase mais que Portão.

Isso é surpreendente porque a população do Caí é quase seis vezes maior do que a de Tupandi e a de Portão é quase oito vezes maior.

A prefeitura de Portão recebe oito vezes menos dinheiro deste imposto (que é a sua principal fonte de receita) do que Tupandi. Imagine quanto a prefeitura de Tupandi pode proporcionar a mais para o seu povo do que a de Portão.

Olhando a tabela, o leitor pode tirar uma conclusão quanto à situação em que se encontra o seu município. Se está mais próximo do topo da tabela (Tupandi) ou da últimas colocação (Capela).


PERSPECTIVAS
Na penúltima coluna da tabela, constatamos que Tupandi é, disparado, o município mais rico da região. São José do Sul, Maratá e São Vendelino e Harmonia também estão muito bem. Próximos ao nível econômico de países europeus como Portugal e Grécia. Tupandi já alcançou nível comparável com o da Itália.

Na última coluna da tabela podemos ver como evoluiu cada município no último ano. Vemos que São José do Sul foi o que mais cresceu economicamente e que Capela de Santana teve o segundo melhor crescimento da região. Capela tende a superar o nível econômico de Portão.

Por outro lado, Pareci Novo foi o município da região cuja economia mais decresceu. Um caso excepcional, felizmente. A maioria dos municípios da região tiveram bom crescimento, com destaque para São José do Sul, Capela, Barão e Alto Feliz.


AGROPECUÁRIA
No passado, pensava-se que, para um município progredir, seria necessário atrair indústrias. A história econômica do Vale do Caí nos mostra, entretanto, que os municípios que mais progrediram são aqueles cujas prefeituras incentivaram fortemente a construção de aviários. 

Os municípios de Tupandi, São José do Sul, Maratá, São Vendelino, Harmonia, São Pedro da Serra, Pareci e Linha Nova fizeram isso e, hoje, são ricos. Há vinte anos, eram os mais pobres.


O SEGREDO DO SUCESSO
Os municípios mais industrializados, que foram os mais ricos no passado, hoje são os mais pobres.

Ocorre que o Vale do Caí tem extraordinárias condições para desenvolver a produção de carnes (aves, suinos, bovinos). 

Os municípios que investirem no incentivo a essa atividade estão fadados ao sucesso.

São José do Sul é o município mais progressista da região porque é eminentemente agrícola e está situado a pouquíssima distância de três grandes integradoras: a JBS, em Montenegro; a Naturovos, em Salvador do Sul e a Ouro do Sul, em Harmonia.
Matéria de Renato Klein publicada no jornal Fato Novo, em 6 de fevereiro de 2016

ccccccccccc

Nenhum comentário:

Postar um comentário